terça-feira, 29 de novembro de 2011

Teorias demográficas

Teorias demográficas

01. MALTHUSIANA - trabalhou o crescimento populacional a partir de leis provenientes das ciências exalas e naturais, em parte foi por essa razão que Thomas Robert Malthus cometeu equívocos que comprometeram as suas ideias, além de uma grande dose de alarmismo em suas colocações por desconsiderar a realidade socioeconômica.

A proposta malthusiana estabeleceu a relação Recursos x População.

Os recursos necessários (alimentos) a sobrevivência do homem cresceria em Progressão Aritmética: 1,2,3,4,5, enquanto que o crescimento populacional se daria na forma de Progressão Geométrica ou seja: 2,4,8,16,32,... O economista inglês Thomas Robert Malthus (1776-1834) formulou sua teoria demográfica no livro Um ensaio sobre o princípio da população, publicado primeiramente sem autoria, em 1798. Naquela época, a obra fez muito sucesso, mas hoje suas ideias são

consideradas ultrapassadas pela maioria dos estudiosos. Para os críticos de Malthus, não se elimina a pobreza diminuindo o número de nascimentos entres os pobres, mas redistribuindo a riqueza produzida no mundo. De qualquer modo, por ter sido o primeiro, estudioso a dar um tratamento cientifico ao estudo da população, Malthus consagrou-se como o pai da demografia.

2. NEOMALTHUSIANA – Estabeleceu pensamentos voltados para explicar o crescimento nos países subdesenvolvidos, onde passou a justificar a pobreza em função do excessivo número de pobres desses países. A partir dessa concepção, nota-se a busca por explicações superficiais e sem fundamentação, haja vista que o problema não é o quantitativo de população, contudo a forma como se dá a divisão dos recursos produzidos.

3. ECOMALTHUSIANA - tentando passar uma preocupação com o meio-ambiente e, sobretudo, em relação aos recursos naturais, essa corrente busca explicar novamente o crescimento populacional a partir de ideologias tendenciosas e superficiais que culpa a população de baixa renda pelo consumo exagerado dos recursos naturais comprometendo as gerações futuras.

Ambas as teorias apresentadas tem base no pensamento malthusiano, apesar de que Malthus nunca defendeu deliberadamente um controle, todavia pregava a necessidade do mesmo para evitar uma catástrofe de fome.

Por outro lado, as duas teorias defendem o controle de natalidade como saída para evitar uma explosão demográfica, passando ainda a responsabilidade para o Estado que seria o culpado pelo fato da classe mais baixa ser tão prolífica, tendo em vista a política assistencialista que o poder público pratica.

Esse pensamento revela a postura neoliberal de tais correntes, dai a defesa de que o Estado seria responsável pela política de controle da natalidade, desta forma controlando o crescimento populacional.

4. REFORMISTA - Esta teoria se opõe a teorias anteriores, pois defende nas suas formulações que a miséria existente no mundo é fruto da injustiça social, sobretudo na questão da desigualdade social e da forte concentração de renda que funciona como o grande agente da difusão da miséria e da forme no mundo. Essa concepção trabalha com a ideia de que através da revolução educacional e dos grandes investimentos do estado em saúde e em infraestrutura o crescimento populacional será freado, pois a população ao ter uma maior consciência passa a desenvolver um planejamento familiar, como a que ocorre com a classe média.

3 comentários:

  1. Querendo ou não, não podemos descartar as ideias malthusianas... O problema do Brasil é que a corrupção não deixa o dinheiro chegar aos pobres... Mas,se você parar no sinal e vê uma mulher com cinco filhos pedindo esmola, certamente vai recriminá-la..." é pobre e fica colocando filho no mundo" . É o que tudo mundo pensa...

    ResponderExcluir